Fusão e aquisição são expressões muito comuns no meio corporativo e empresarial. Oriundas do termo Merges and Acquisitions, elas também são conhecidas no mercado pela sigla M&A. Essas expressões estão relacionadas a um conjunto de operações empresariais que lidam com a compra, venda e composição de empresas.

Neste artigo, vamos aprofundar as informações a respeito desse assunto, a partir de uma visão geral sobre os processos de fusão e aquisição de empresas. Acompanhe a leitura e veja o que é preciso avaliar antes de considerar a realização desse processo.

Como funciona a fusão e aquisição de empresas?

A fusão é uma estratégia utilizada principalmente para a reorganização de empresas. Ela se caracteriza pela ligação de duas ou mais empresas, transformando-as em um novo negócio. Quando ocorre o processo de fusão, há o desaparecimento das empresas que se fundiram durante o processo, dando lugar a uma nova sociedade empresária.

Um exemplo conhecido de empresas brasileiras que passaram pelo processo de fusão é o caso da Sadia e Perdigão: as empresas, após a fusão, passaram a se chamar BRF S.A.

Diferente das fusões, as aquisições ocorrem quando uma empresa (adquirente) obtém a participação majoritária de outra (adquirida). No caso da aquisição, não ocorre a mudança de nome da adquirente ou ainda de sua estrutura.

Isso significa que uma das empresas vai permanecer, mas não significa, necessariamente, que a outra deixará de existir. Ela pode ou não continuar — a critério da empresa que realizou a aquisição.

Um exemplo de empresas brasileiras envolvidas nesse processo é o dos bancos Bradesco e HSBC. Especificamente nesse caso, o primeiro adquiriu o segundo: o HSBC passou a fazer parte do Banco Bradesco.

Quais são as vantagens da fusão e aquisição de empresas?

Realizar os processos de fusão e aquisição pode ser motivado por diversas situações. De forma geral, as empresas enxergam neles a possibilidade de ampliar sua competitividade, contribuindo para o crescimento do negócio.

Na prática, quando duas empresas decidem iniciar um processo de fusão, o principal motivador é o aumento da competitividade e da capacidade de produção. Nesse caso, o resultado final é uma empresa com uma estrutura mais forte e com melhores condições de se destacar no mercado.

A redução de custos e a eliminação de possíveis problemas envolvendo gargalos operacionais são outras vantagens dos processos. Imagine, por exemplo, a questão dos custos fixos das empresas. Com a fusão de duas grandes corporações, os custos fixos com sedes corporativas podem ser eliminados, considerando que passará a existir apenas uma empresa.

Como já destacamos, uma das principais vantagens é a ampliação da competitividade no mercado. Com a expansão do tamanho e da capacidade de produção, é natural que a empresa se torne ainda mais competitiva no mercado, ampliando as condições de melhorar o seu desempenho.

O poder de barganha é outro benefício que merece atenção. Como a empresa se torna muito maior, os fornecedores acabam dependendo ainda mais dela, e isso amplia o seu poder de barganha e a dependência do fornecedor com relação aquele cliente.

Quais são os principais tipos de fusão e aquisição?

A seguir, veja como ocorre as divisões entre os tipos de fusão e os tipos de aquisição.

Os tipos de fusão

A fusão pode ser dividida em cinco categorias: fusão horizontal, fusão vertical, conglomerado, fusão de extensão de mercado e fusão de extensão de produto. Entenda como cada uma funciona:

Fusão horizontal

A fusão horizontal é o processo no qual duas ou mais empresas de um mesmo ramo (concorrentes) se unem para formar uma nova sociedade. Nesse caso, a empresa continua fornecendo ao mercado o mesmo produto anteriormente ofertado pelas empresas separadas.

A fusão horizontal se destaca por oferecer mais força ao empreendimento e ampliar a sua participação no mercado.

Fusão vertical

Já a fusão vertical ocorre quando se unem duas empresas que se caracterizam por terem negócios distintos, mas complementares. Nesse tipo, ocorre a integração de duas empresas diferentes em uma cadeia produtiva, permitindo um domínio vertical do mercado.

Como resultado, elas alcançam maior controle sobre as atividades e proteção do investimento, além de facilidade na distribuição dos produtos e garantia de matérias-primas.

Conglomerado

Na modalidade de fusão chamada de conglomerado, ocorre a união de duas sociedades com objetos sociais completamente diferentes. Normalmente, este tipo de fusão é motivado pelo desejo de expansão, somado ao interesse de diversificação do risco da atividade empresarial.

Fusão de extensão de mercado

A fusão de extensão de mercado ocorre quando duas empresas, com o mesmo objeto, mas diferentes áreas de atuação, desejam se unir. Como o nome sugere, o principal objetivo é aumentar a faixa territorial de atendimento, ampliando o número de clientes da empresa.

Fusão de extensão de produto

Por fim, o último tipo é a fusão de extensão de produto. Ela ocorre quando duas ou mais sociedades que oferecem produtos que guardam relação entre si desejam se unir para ampliar o mercado de atuação e expandir seus negócios.

Os tipos de aquisição

A aquisição, por sua vez, pode ser dividida em dois tipos: a aquisição hostil e a aquisição amigável.

Aquisição hostil

A hostil ocorre quando a tomada do controle da empresa é feita sem que o Conselho de Administração tenha emitido um parecer, aprovando a venda de ações para controle do negócio.

Este modelo de aquisição só ocorre em sociedades anônimas de capital aberto, com ações disponíveis no mercado e nas quais há uma oferta de ações que permita a aquisição do controle pelo comprador interessado.

Aquisição amigável

A aquisição amigável, por sua vez, ocorre quando o processo de aquisição é feito de forma transparente, com a anuência dos líderes e executivos da empresa adquirida. Isso significa que todo o procedimento ocorre com a concordância e colaboração das partes envolvidas.

Como você pode ver, o processo envolvendo a fusão e aquisição podem ser extremamente vantajosos para as empresas, especialmente para aquelas que desejam ampliar a sua participação no mercado.

Entretanto, é importante que o empresário tenha em mente que ambos processos devem ser feitos com o auxílio de uma empresa especializada. Ela oferecerá todo o suporte técnico e legal para garantir uma transição tranquila e que atenda às expectativas dos gestores e demais profissionais envolvidos.

Este artigo sobre fusão e aquisição foi útil? Então, assine a nossa newsletter e fique por dentro de outros conteúdos exclusivos para o desenvolvimento de uma gestão mais eficiente na sua empresa.

Escreva um comentário