O cálculo do capital de giro é essencial para a saúde financeira da empresa. Esse conceito, tão conhecido pelos empreendedores, refere-se ao valor necessário para cobrir as despesas operacionais do negócio.

O capital de giro geralmente se concentra nas contas a receber, no caixa, na conta bancária e no estoque. Porém, é necessário ter um controle preciso de todas as movimentações ― a falta desse capital, mesmo que por poucos dias, pode prejudicar seriamente o fluxo de trabalho.

Se você quer saber mais sobre o capital de giro e dicas para administrá-lo, continue lendo este post.

Como é feito o cálculo do capital de giro?

Diferentemente do capital de investimentos, voltado para a compra de imóveis, materiais, máquinas etc., o capital de giro não está destinado ao pagamento de valores fixos.

É justamente nesse ponto que o empreendedor costuma se complicar. É possível que ele encare esse dinheiro como um valor disponível para gastos, porém, tais recursos podem ser necessários para cobrir uma despesa com insumos ou para uma emergência. Por isso é tão importante saber como calcular esse capital, evitando surpresas.

O valor do capital de giro é obtido pela fórmula CGL = AC – PC, onde:

  • CGL: capital de giro líquido;
  • AC: ativo circulante, formado pelos valores no caixa, conta bancária, contas a receber etc.;
  • PC: passivo circulante, composto pelas despesas físicas como fornecedores, contas a pagar, entre outros.

Como administrar o capital de giro?

Sabendo como é importante contar com um bom capital de giro, também é necessário ter estratégias para administrá-lo bem, a fim de que não faltem recursos durante o mês. Entenda melhor algumas dessas práticas.

Incentivar a compra à vista

Oferecer o parcelamento muitas vezes é uma excelente maneira de incentivar a compra, diluindo o valor para que o cliente não sinta tanto o impacto da cobrança e tenha uma propensão maior para fechar o negócio. No entanto, essa prática pode prejudicar o capital de giro, que precisa do valor a curtíssimo prazo. Por isso, procure incentivar as compras à vista, por meio de descontos ou programas de vantagem.

Aumentar a margem de lucro

Com um lucro maior, o montante disponível no caixa aumenta, o que favorece o capital de giro. Nem sempre aumentar o valor do produto é a melhor saída para isso. Pense em buscar condições melhores junto aos fornecedores, reavaliar os custos da empresa ou pensar em estratégias para redução de gastos que abram uma margem maior de lucro.

Cuidar do giro de estoque

Parte da organização financeira da empresa é saber quando vão ocorrer os próximos recebimentos e trabalhar com uma previsão de vendas, projetando o que será vendido e quanto será recebido, sem esquecer a margem de segurança.

Faça um controle cuidadoso das entradas e saídas do seu negócio e, principalmente, trabalhe para diminuir o tempo médio de estoque. Quanto maior a circulação de mercadorias, mais seguro fica o capital de giro da sua empresa.

Como evitar a falta do capital de giro?

A falta de capital de giro pode trazer problemas sérios. Quando não há condições de custear as despesas básicas para o funcionamento do negócio, o empresário costuma apelar para empréstimos, que contêm juros capazes de comprometer o desenvolvimento da empresa.

Para evitar esse problema, tenha um controle preciso dos clientes inadimplentes, faça uma documentação eficiente e clara de todas as finanças, entenda bem o ciclo financeiro e o fluxo de caixa e procure sempre reduzir as despesas.

Sabendo como é feito o cálculo do capital de giro e a sua importância, é possível fazer uma administração muito mais consciente e segura, evitando que o seu negócio seja afetado por pequenas crises.

Se você quer mais dicas de planejamento financeiro, aprenda neste artigo como fazer um DRE eficiente.

Escreva um comentário